GOVERNO DO EX-PRESIDENTE JOÃO FIGUEIREDO VETOU A COPA DO MUNDO EM 1983
Folha Centro Sul
16/11/2013   

GOVERNO DO EX-PRESIDENTE JOÃO FIGUEIREDO VETOU A COPA DO MUNDO EM 1983

Se você ainda não curtiu, curta o FCS Brasil no Facebook:

Uma nota da história (vide foto acima), muito curiosa está circulando na internet e nos traz uma grande reflexão, cuja mesma já fora impulsionada pelos protestos de junho de 2013, contra a corrupção, contra os superfaturamentos das obras da copa e, principalmente, contra a falta de prioridades.

Frases polêmicas do ex-presidente (ditador) Figueiredo

Leia: 200 mil famílias são brutalmente despejadas por causa das obras da copa e das olimpíadas

Pesquise: tudo sobre as irregularidades das obras da copa de 2014

Leia: Romário profetiza "vai ser o maior roubo da história"

Leia: Fiscais encontram irregularidades em 12 de 22 obras da Copa em Cuiabá

Leia: Copa do mundo, remoções, super faturamento… Por que as manifestações não param no Rio de Janeiro?

Afinal, o Brasil tem uma rede de saúde pública maravilhosa e que não precisa de investimentos? O Brasil tem estradas bem estururadas? Tem segurança? Tem educação e transporte de qualidade para a população? Ninguém aqui é contra a Copa ou as Olimpíadas, mas questionamos se a realização destas no Brasil são prioridades? Se o dinheiro público investido em estádios e muitas outras coisas que o povo jamais verá a execução ou o dinheiro de volta são prioridades?

GOVERNO FIGUEIREDO MANDOU A FIFA ENFIAR A COPA... EM OUTRO PAÍS...

Em 83/84, quando a Colômbia desistiu de organizar a Copa pouco mais de um ano antes do início, a CBF interessou-se em substituí-la (assim como México e Estados Unidos). Mas o presidente João Figueiredo vetou a idéia.

“Governo veta a Copa no Brasil em 1983”

 De fato, naquela época dos “generais-presidentes” não abdicaram do bom senso em relação à pobreza do país, pois pobreza era de fato pobreza e deveria ser tratada como tal para erradicá-la, dentro das possibilidades econômicas via orçamento público; e referente a isso o regime militar (1964-1985) fez muito,até desencadear a crise do petróleo no início da década de 80 do Século XX.

 Já nos dias de hoje, “a tal pobreza mequetrefe (enxerida = intrometida)”, que permeia os discursos panfletários  dos demagogos que pululam a Ilha da Fantasia, tem como fim único dar mais embasamento ao próprio discurso ideológico. O projeto de poder político, “panis et circenses” se alimenta da “pobreza mequetrefe”, feito parasita a esta, pois é nela que os porcos ideológicos do “discurso-panfletário-político-demagógico” chafurdam para se eternizarem no poder.

 Assim, professam “vida longa à miséria social, para haver vida longa ao “discurso-panfletário-político-demagógico”, que se encontra refestelado no poder, do poder, para o poder-mequetrefe-subdesenvolvido.”

 





RECOMENDAMOS:

Princípio da Descrença

O princípio da descrença é a proposição fundamental da Conscienciologia na qual o pesquisador ou pesquisadora não deve aceitar nenhuma ideia de maneira apriorista, dogmática, mística, sem reflexão e sem submetê-la a uma análise crítica, desapaixonada e racional. Através do princípio da descrença a pessoa substitui a crença pelo conhecimento advindo da racionalidade e da experiência pessoal. O princípio da descrença representa um desafio prático para todos nós e pode ser postulado pela frase:


Não acredite em nada, nem mesmo

no que lhe informarem aqui.

EXPERIMENTE.

Tenha suas experiências pessoais.





© Todos os direitos reservados

contato@folhacentrosul.com.br