FCS Brasil
O Iluminista
28/03/2016   

Solzhenitsyn, pensador Russo que mostrou que o Marxismo foi a maior fantasia do nosso século

Sobre esse tipo de autor e e esse tipo de informação, os comunas figem nada saber ou, como sempre, distorcem tudo até o último ponto.

Um pouco de informação e conhecimento não faz mal a ninguém, não é? Sobretudo, conhecer o lado inimigo e suas ideias a fundo, na essência.

Não podemos cometer o crime contra nós mesmos e contra a nossa consciência de nos limitar às leituras e aos estudos medíocres, bem como nos limitar a apenas comentários superficiais e destrambelhados misturando tudo e confundindo a história, sob o viés Realista, Revisionista com as nojeiras da atualidade política mundial.

É preciso muito mais do que a raiva, a revolta e a indignação para mudar o mundo para algo melhor, ou pelo pelo menos, para algo menos pior.

É preciso mente aberta, estudo e ir além.

VAMOS AO AUTOR SOB A REFLEXÃO

Um pensamento de Solzhenitsyn:

Alexander Issaiévich Solzhenitsyn (1918-2008), foi um pensador, autor e escritor Russo, Marxisista Leninista que comeu o pão que o diabo amassou na antiga União Soviética.

Durante a 2ª Guerra Mundial Solzhenitsyn serviu como comandante no Exército Vermelho, estando envolvido em ação na Frente de batalha, e duas vezes condecorado.

Uma série de textos publicados no final de sua vida, incluindo o inacabado romance Love the Revolution! narra sua experiência de guerra e suas dúvidas crescentes sobre os fundamentos morais do regime soviético.

Solzhenitsyn  foi condenado a trabalhos forçados por criticar Stálin, expulso da Rússia em 1974, pode voltar em 1994, depois que Mikhail Gorbachev lhe restituiu a cidadania e retirou a acusação de traição.

Toda sua obra é um testemunho prático, vivo e real da 'fantasia que é o Marxismo, o comunismo e todas as ideias que se reportam ao socialismo.

ARTIGO DE UMA ESTUDIOSA SOBRE O PENSADOR

Reproduzo aqui um artigo da historiadora e estudiosa, Jo PiresO'Brien, editora do PortVitoria, revista eletrônica dedicada às comunidades falantes de português e espanhol de todo o mundo, cujo título é:

"Alexander Solzhenitsyn (1918-2008)", cujo mesmo fala das Armadilhas do Marxismo e da Perigosa Fantasia que o mesmo é, tendo exterminado, só na Revolução Russa, mais de 60 milhões de russos.

VEJA, TAMBÉM: O insano objetivo de se eternizar no poder e a macabra tática de extermínio da 'população rebelde'

Artigo:

***“No coração de todas as pessoas há uma batalha constante entre o bem e o mal” A Solzhenitsyn

Apenas recentemente eu tive a oportunidade de ler O Arquipélago Gulag, o famoso livro de Alexander Solzhenitsyn sobre os ‘gulags’ da União Soviética, campos e colônias de trabalho forçado por onde passaram cerca de 14 milhões de pessoas, detidas tanto por crimes ordinários e pequenas infrações quanto por motivos políticos.

Embora Solzhenitsyn tivesse usado o termo ‘gulag’ nesse sentido, o termo ‘Gulag’ é um acrônimo para Alta Administração dos Campos e Colônias de Trabalho Corretivo do Comissariado do Povo Para Assuntos Internos (NKVD), a agência do governo soviético encarregada dos campos de trabalho forçado, criada oficialmente em 1930 e extinta em 13 de Janeiro de 1960.

Escrito entre 1958 e 1968, O Arquipélago Gulag é um registro da arbitrariedade e da violência do regime implantado em 1917 na União Soviética. Solzhenitsyn mostra que já existiam campos e colônias de trabalho forçado antes de 1930 e que Lenin também havia cometido o mesmo tipo de violência que Stalin, embora numa escala menor. Alexander Solzhenitsyn nasceu em Kislovodsky, no sudoeste da Rússia e perto da fronteira com a Georgia, em 11 de dezembro de 1918, tendo estudado matemática na Universidade de Rostov.

Durante a Segunda Guerra Mundial Solzhenitsyn serviu no Exército Vermelho e chegou à categoria de capitão de artilharia. Apesar de ter sido condecorado por bravura, em 1945 ele foi preso e condenado por ter criticado Joseph Stalin numa carta a um amigo, quando foi mandado para um campo de trabalho forçado no Cazaquistão. O primeiro livro de Solzhenitsyn foi Um Dia na Vida de Ivan Denisovich, cujo cenário era um campo de trabalho forçado soviético, foi publicado em 1962, durante o governo de Khrushev. Entretanto, o livro foi posteriormente banido depois da queda de Khrushev em outubro de 1964.

Os próximos dois livros de Solzhenitsyn, The First Circle (O Primeiro Círculo) (1968) e Cancer Ward (A Enfermaria do Câncer) (1968) também foram banidos. Em 1970, Solzhenitsyn ganhou o Premio Nobel de Literatura mas o governo soviético não lhe deu permissão para ir a Estocolmo para recebê-lo. O seu próximo livro foi o romance Agosto de 1914, sobre a Primeira Guerra Mundial, publicado em 1971 fora da União Soviética.

Em 1973 Solzhenitsyn publicou O Arquipélago Gulag, fora da União Soviética, motivo pelo qual ele foi acusado de traição e deportado. Já nos Estados Unidos, Solzhenitsyn escreveu Lenin in Zurich (1975), The Oak and the Calf (1980) e The Mortal Danger (1983). Após sua morte em 3 de agosto de 2008, aos 89 anos de idade, Solzhenitsyn teve um funeral com honras de Estado e foi enterrado no cemitério de Donskoy em Moscou.

Depois que Nikita Khruschev denunciou as arbitrariedades de Stalin inicialmente no 20º Congresso do Partido reunido em fevereiro de 1956, e depois no 22º Congresso em outubro de 1961, a imprensa começou a divulgar o assunto. Durante o seu governo Khrushev, que durou até outubro de 1964, Solzhenitsyn e outros autores críticos de Stalin conseguiram publicar seus livros na União Soviética.

Entretanto, Solzhenitsyn achava que as informações que haviam sido disseminadas representavam apenas uma verdade parcial e que não bastavam para desagravar as pessoas que perdido suas liberdades e suas vidas nos gulags.

Depois da substituição de Khruschev por Leonid Brezhnev, houve um retrocesso na liberdade de imprensa, causada pelo receio das consequências de um confronto entre os que desejavam reabilitar a imagem histórica de Stalin e os que desejavam colocá-lo no banco dos réus. Solzhenitsyn enfrentou uma enorme pressão para não desenterrar o passado, inclusive por parte da Associação de Escritores de Moscou.

Entretanto, ele insistiu na importância de trazer a verdade à tona e atribui a maldade dos homens à ideologia, como mostra o trecho abaixo retirado de O Arquipélago Gulag:

“Ideologia é aquilo que dá ao malefício a justificativa tão procurada e ao malfeitor a determinação e a sustentação necessárias. É esta a teoria social que ajuda a fazer com que os seus atos pareçam bons ao invés de maus, aos seus próprios olhos e aos olhos dos outros, de forma que ele não ouvirá repreensões e maldições mas receberá elogios e honrarias. Foi assim que os agentes da Inquisição fortificaram as suas vontades: invocando o Cristianismo; os conquistadores de terras estrangeiras, louvando a grandeza da Pátria Mãe; os colonizadores, a civilização; os Nazistas, a raça; e os Jacobinos (do início e do fim), a igualdade, a irmandade, e a felicidade das gerações futuras. Foi graças à ideologia que o século vinte foi fadado a experimentar malefícios numa escala calculada em milhões. Isso não pode ser negado, ignorado ou suprimido. Como é então que nós nos atrevemos a insistir que os malfeitores não existem? E quem foi que destruiu esses milhões de pessoas? Sem malfeitores não teria existido o Arquipélago.”

Para escrever O Arquipélago Gulag Solzhenitsyn juntou à sua própria experiência as informações obtidas de inúmeros depoimentos de prisioneiros e outras narrativas. Após ter sido expulso da Associação de Escritores de Moscou e m 1974 ele também foi expulso da União Soviética, quando obteve asilo político nos Estados Unidos e foi morar em Vermont. Solzhenitsyn retornou à Rússia em 1994, depois que Mikhail Gorbachev lhe restituiu a cidadania e retirou a acusação de traição, o que é bastante sugestivo do enorme apego dele à sua pátria natal.

***Jo Pires-O’Brien é a editora de PortVitoria: http://www.portvitoria.com – revista eletrônica dedicada às comunidades falantes de português e espanhol de todo o mundo.

Mais sobre o Solzhenitsyn:

Livros:

= Two Hundred Years Together (2001, 2002)
= Um Dia na vida de Ivan Denisovich (1962; romance)
= O Primeiro Círculo (1968; romance)
= O Pavilhão dos Cancerosos (1968; romance)
= Arquipélago Gulag (título no Brasil) ou Arquipélago de Gulag (título em Portugal) (1973–1978)
= Agosto, 1914 (1984; romance)
= Compota de damasco e outros contos (2015; colectânea de contos)

Artigo: Armadilhas do Marxismo. O Marxismo foi a maior fantasia do nosso século. https://goo.gl/QZhbFj

Um pouco mais sobre o autor: http://goo.gl/iHrsL8

Outras informações básicas: https://goo.gl/hq5aEX

(Editado por Emerson Rodrigues, para os blogs da Mídia Livre no Brasil e no exterior) (Com informações de Wikipedia e artigos correlatos) (Com foto de Internet e charge de Pinterest)



COMENTE ESTE E OUTROS POSTS NA FAN PAGE OFICIAL NO FACEBOOK: www.facebook.com/fanpageoficialfolhacentrosul








Somos realistas e meritocratas, apenas isso. As grandes coisas feitas pela humanidade não seriam possíveis, sem trabalho, esforço, sangue, suor, Meritocracia. Jamais! O socialismo, o comunismo e todos os sistemas políticos e filosóficos já ultrapassados [+]Leia Mais

Arquivos

2017

2016

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2015

Dezembro

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2014

Dezembro

Novembro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2013

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Mídia Do Povo Brasileiro!

Mídia Do Povo Brasileiro!

×

Sugeridos

© Todos os direitos reservados

X