FCS Brasil
Notícias [+] Lidas
13/06/2018   

Rêgo do TCU, metido na roubalheira com coronés do MDB, aprova as contas fraudadas de Temer

Vital do Rêgo foi recentemente denunciado pela PGR em mutretas que desgraçam o Brasil, junto da máfia dos coronés do PMDB, agora MDB.

RELEMBRE>>> Temer aprova roubo do FGTS para politicagem criminosa

Rêgo, é relator do processo de prestação de contas, fraudadas, todos sabem, de Temer drácula do Jaburu.

Vital aprovou mas com ressalvas.

É uma vergonha.

REVEJA>>>

PGR pede ao STF pra investigar mutretas dos coronés do MDB e do PT com a Friboi


G1 -  O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Vital do Rêgo, recomendou em seu relatório a aprovação, com ressalvas, das contas de 2017 do governo do presidente Michel Temer.

O parecer ainda será votado pelos outros ministros do TCU. Depois, a recomendação segue para o Congresso Nacional, que é o responsável por aprovar ou não as contas anuais do governo.

Segundo Vital do Rêgo, o relatório traz 22 recomendações e 4 alertas referentes às contas de 2017.

O ministro criticou o elevado volume de renúncia de receitas do governo em 2017, referentes a benefícios tributários, como as desonerações.

Segundo ele, em 2017 as renúncias fiscais somaram R$ 354,7 bilhões, equivalente a 5,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Vital do Rêgo alertou que entre 2003 e 2008, a média de renúncias fiscais foi de 3,4% do PIB. Se a média fosse mantida em 2018, o governo teria economizado R$ 131 bilhões.

“Essa economia supriria todo o nosso déficit”, disse o ministro.

O ministro ainda criticou o fato de que a maior parte das renúncias fiscais beneficiam a região Sudeste, a mais rica do Brasil.

“O benefício vai para o Sudeste e não vai para quem mais precisa”, afirmou.

Na sua apresentação, o ministro cobrou a adoção de reformas estruturais para reduzir gastos públicos. Segundo ele, com o crescimento das despesas com pessoal e com Previdência, o país teria que zerar as despesas com saúde, educação, investimentos públicos e manutenção de serviços públicos – despesas discricionárias – em março de 2024 para cumprir a regra do teto de gastos.

Segundo o ministro, em 2017, o cumprimento do teto foi feito graças ao contingenciamento dos gastos discricionários. Assim, com a tendência de elevação da Previdência e dos gastos com pessoal, o contingenciamento das despesas discricionária também deve aumentar.

“O cenário que se avizinha é preocupante. O crescimento das despesas previdenciárias e com pessoal pode, a curto prazo, paralisar o país”, afirmou o ministro.





ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores, os quais poderão responder judicialmente e não representam a opinião deste site. Se achar algo ofensivo, marque quem comentou e denuncie.



DEBATE: ELITES

SOJA COM BOSTA

Sugeridos

© Todos os direitos reservados

X