'Não consigo ver quais os benefícios da copa para o povo', diz Guga
Folha Centro Sul
21/02/2014   

'Não consigo ver quais os benefícios da copa para o povo', diz Guga

Se você ainda não curtiu, curta o FCS Brasil no Facebook:

Um dos grandes nomes do esporte nacional, o ex-tenista Gustavo Kuerten não está satisfeito com a situação do Brasil às vésperas da Copa do Mundo.

O tricampeão de Roland Garros declarou nesta terça-feira, no Rio Open, no Jockey Club Brasileiro, que a Fifa deve estar vivendo uma situação inédita e alfinetou a organização do evento.

"Não consigo enxergar grandes benefícios além de poucos investimentos. Os estrangeiros vão adorar, nós é que não vamos gostar, porque o que foi prometido não foi feito. Os aeroportos não ficaram prontos, gerou-se uma expectativa, mas o compromisso não foi cumprido (melhorias no País). Isso causa um grau de insatisfação. Não sei se a Fifa já viveu situação tão constrangedora", disse Guga, em entrevista coletiva.

Entretanto, todo este quadro não faz com que Guga enxergue um vexame no Brasil durante a Copa. 

"Todos sabem que no Brasil as pessoas sofrem com dificuldades, não vai ser vexame a Copa. Os problemas podem aparecer durante a Copa, mas é um evento de um mês que vai terminar e tudo continuará como está", lamentou.

Apesar de não ver grandes pontos positivos na Copa, Guga foi mais positivo ao comentar sobre a Olimpíada de 2016, que será no Rio de Janeiro. Vale lembrar que em outubro de 2009 ele foi para a Dinamarca integrar a comitiva brasileira na votação que decidiu o Rio como sede.

"A Olimpíada tem o papel de transformar a cidade, mas isso fica dependente da eficácia do poder público. O legado olímpico deve ser positivo, mesmo que não se aproveite tanto. Mesmo que as mudanças sejam poucas, vai deixar uma realidade mais favorável", explicou o ex-tenista. Fonte: Terra

 





RECOMENDAMOS:

Princípio da Descrença

O princípio da descrença é a proposição fundamental da Conscienciologia na qual o pesquisador ou pesquisadora não deve aceitar nenhuma ideia de maneira apriorista, dogmática, mística, sem reflexão e sem submetê-la a uma análise crítica, desapaixonada e racional. Através do princípio da descrença a pessoa substitui a crença pelo conhecimento advindo da racionalidade e da experiência pessoal. O princípio da descrença representa um desafio prático para todos nós e pode ser postulado pela frase:


Não acredite em nada, nem mesmo

no que lhe informarem aqui.

EXPERIMENTE.

Tenha suas experiências pessoais.





É Ou Não é Assim?

×

© Todos os direitos reservados

contato@folhacentrosul.com.br